Biografia

O advogado Alexandre Farah tem 61 anos, nasceu no Rio de Janeiro e leva no sangue a vocação para a vida púbica. Sobrinho do senador Benjamin Farah, com quem colaborou desde a juventude, iniciou sua militância democrática em 1968, em plena ditadura militar, participando ativamente do Movimento Estudantil da época.

Filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e ainda universitário foi nomeado Superintendente da Companhia de Desenvolvimento das Comunidades (CODESCO), órgão estadual que visava melhorar as condições de vida dos moradores de comunidades de baixa renda.

Formado em Direito pela PUC-RJ, onde também estudou sociologia política, foi Conselheiro Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e Membro Efetivo do Instituto dos Advogados Brasileiros. Como advogado, destacou-se na luta pelos direitos civis, principalmente em defesa dos brasileiros exilados no exterior e de presos políticos.

Junto com Leonel Brizola fundou o PDT e participou da primeira bancada de deputados do partido, na mesma eleição que levou Brizola ao Governo do Rio de Janeiro, em 1982.

Como deputado, Alexandre Farah foi autor de inúmeros projetos, muitos transformados em lei, e participou do colégio eleitoral, sendo um dos seis deputados da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro que votaram na eleição de Tancredo Neves, no dia 15 de janeiro de 1985.

Após retomar suas atividades na advocacia, Alexandre Farah exerceu cargos no Poder Executivo. Foi Coordenador Parlamentar da Prefeitura do Rio de Janeiro, em 1989, e Diretor de Administração e Finanças da Empresa de Serviços e Insumos Básicos para a Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro – SIAGRO/RIO, vinculada à Secretaria Estadual de Agricultura em 1993/1994.

Alexandre Farah interessou-se pelo setor de transportes de massa e tornou-se um especialista nessa área, apresentando diversas sugestões ao Governador Anthony Garotinho, que o nomeou Diretor de Administração e Finanças da Companhia Fluminense de Trens Urbanos – Flumitrens, onde teve participação decisiva na finalização do acordo junto ao Banco Mundial para obter o empréstimo visando viabilizar diversas melhorias no setor ferroviário.

Ainda no exercício do cargo, foi cumulativamente nomeado Diretor de Administração e Finanças da Companhia do Metropolitano do Rio de Janeiro – METRÔ. Em 2001, foi nomeado Diretor-Presidente da Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística – CENTRAL e, durante maio de 2001 e abril de 2002, foi Diretor Presidente da Companhia de Transporte sobre Trilhos do Estado do Rio de Janeiro – RIOTRILHOS. Após o fim do seu mandato de Presidente, a então eleita Governadora, Rosinha Garotinho, convidou Alexandre Farah a reassumir a Presidência da RIOTRILHOS.