Artigos

03.02.10 Atropelamento com vítimas

Ganhar medalhas olímpicas é um orgulho e uma satisfação muito grande. Mas essas conquistas, embora importantes, são limitadas ao campo esportivo. Organizar uma olimpíada, aí sim, é uma prova de competência de um país e de seu povo, pois depende de organização, capacidade de atrair investimentos, realizar obras que fiquem como legado para o povo.

Barcelona é o exemplo maior. A cidade é citada até hoje como a que promoveu a maior transformação urbana de todas as sedes olímpicas, graças ao talento de seus engenheiros, arquitetos e urbanistas,reconhecidos no mundo inteiro. A Espanha se vangloria, com muita razão, do talento de seus profissionais e da mobilização de sua população.

Temos agora, no Brasil, a oportunidade de afirmarmos a nossa nacionalidade, de promovermos o Rio de Janeiro como cidade realmente maravilhosa, de melhorarmos as condições de vida dos cariocas e de atrairmos turistas do mundo inteiro. Para isso é necessário que os jogos olímpicos de 2016 sejam genuinamente brasileiros, tenham o jeito carioca de ser e de viver.

Temos aqui gente capacitada em todos os setores para organizar os jogos, provamos isso no Pan, sem falar no desfile das escolas de samba, o maior espetáculo da terra. Qual a razão de chamarmos uma figura contestada no mundo inteiro, como Tony Blair? Nas olimpíadas queremos propagar a paz e não estimular a guerra, especialidade de Blair.

O escritor Paulo Coelho, de prestígio mundial, deu a partida. Que artistas, intelectuais, estudantes, trabalhadores, donas de casa se manifestem repudiando a presença de Tony Blair na organização dos jogos. O deslumbramento do governador Sérgio Cabral não pode levar o Rio de Janeiro a essa aventura, a essa tentativa de mostrar que é o pai dos jogos olímpicos, atropelando a tudo e a todos.

Ou o prefeito Eduardo Paes, o verdadeiro responsável  pelos jogos que serão realizados na cidade, reage à investida eleitoreira desenfreada de Cabral, ou estaremos arriscados a, logo logo, termos George W. Bush como mestre de cerimônia das olímpiadas de 2016.
 

Deixe seu comentário


0 Comentário(s)